Início Notícias França saúda acordo de coligação alcançado na Alemanha

França saúda acordo de coligação alcançado na Alemanha

 

“É um acordo de coligação muito bom do ponto de vista europeu e para a França como principal parceiro da Alemanha”, disse o secretário de Estado para os Assuntos Europeus francês, Clément Beaune, durante um encontro com jovens organizado pelo Gabinete Franco-Alemão da Juventude (OFAJ, na sigla em francês), organização internacional ao serviço da cooperação entre Paris e Berlim.

“O acordo de coligação está comprometido com o clima, os direitos sociais, até sobre a ideia de reformar a Europa e não excluir mudanças de tratados para melhorar a nossa Europa no futuro”, destacou.

A futura coligação alemã, que junta sociais-democratas, Verdes e liberais, está também empenhada numa “política comercial mais respeitadora do ambiente”, questão sobre a qual a França “pressionou muito”, saudou.

“Sobre todas essas questões temos uma base de trabalho extremamente sólida, extremamente positiva e, além do tom, a mensagem geral sobre a Europa, sobre a soberania europeia estão muito presentes”, continuou.

O social-democrata alemão Olaf Scholz anunciou na quarta-feira um acordo para liderar o primeiro governo pós-Angela Merkel, com os Verdes e os liberais, uma coligação sem antecedentes históricos.

As autoridades francesas sublinharam a sua vontade de começar a trabalhar muito rapidamente com o novo governo alemão, um parceiro fundamental de Paris na União Europeia.

“O motor franco-alemão é forte e continua a ser essencial, ainda mais numa Europa de 27 […] bastante heterogénea”, insistiu Clément Beaune.

O governante francês destacou ainda que os diplomatas dos dois países “estão acostumados a trabalhar juntos”.

“Os nossos dirigentes trabalham juntos no dia a dia, conversam […]. Conseguimos encontrar compromissos em muitas situações através desse trabalho”, disse.

“E, uma vez que temos um compromisso ou uma ambição franco-alemã […], conseguimos concertar para convencer os outros parceiros”, disse, considerando que “seria um erro pensar que Alemanha e França decidem pelos outros”.

Leia Também: Reino Unido pede a França acordo sobre “novas soluções” para a migração