Início Mundo Pelo menos um morto em explosão em autocarro no Uganda

Pelo menos um morto em explosão em autocarro no Uganda

“Foi enviada uma equipa da brigada de minas e armadilhas para Lungala, na autoestrada Kampala-Masaka, após uma explosão mortal ocorrida num autocarro da empresa Swift Safaris Bus, com o número de registo UAU 989T, por volta das 17:00 locais [15:00 em Lisboa]”, afirmou o porta-voz da polícia, Fred Unanga, num comunicado citado pela agência noticiosa Efe.

De acordo com o porta-voz, o local foi isolado para a realização de uma avaliação e de uma investigação exaustiva por parte de especialistas em explosivos, tendo confirmado a morte de pelo menos uma pessoa.

O balanço inicial apontava para dois mortos, tendo as autoridades alterado o número de vítimas mortais para uma.

O responsável referiu ainda que foram retiradas do autocarro um número ainda indeterminado de feridos.

A explosão surge depois de uma explosão na capital, no sábado, ter provocado a morte de uma pessoa e ferido outras cinco.

O grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico na África Central (Iscap, em inglês) reivindicou hoje a autoria do ataque considerado por Museveni como um “ato terrorista”.

De acordo com as autoridades, a vítima mortal é uma mulher de 20 anos.

Não considerando qualquer ligação internacional, as autoridades descreveram no domingo um dispositivo explosivo que continha pregos e pedaços de metal, colocados num saco de plástico deixado debaixo de uma mesa pelos alegados perpetradores.

No entanto, o grupo Estado Islâmico na África Central (Iscap, em inglês), alegou ter conduzido o ataque, afirmando que matou duas pessoas e feriu outras cinco.

Numa declaração citada pelo portal especializado na monitorização de grupos extremistas SITE, o Iscap disse que “os soldados do califado conseguiram detonar um engenho explosivo numa taberna”.

Em 08 de outubro, o Iscap reivindicou a responsabilidade por um ataque à bomba — sem baixas associadas — numa esquadra em Kawempe, perto do local da explosão de sábado.

O Reino Unido e França atualizaram, desde então, os seus conselhos sobre viagens para o país, pedindo atenção em áreas movimentadas e locais públicos, como restaurantes, bares e hotéis.