Início Notícias Tchizé dos Santos "triste" com fim de Vida TV ambiciona canal em...

Tchizé dos Santos "triste" com fim de Vida TV ambiciona canal em Portugal

“O que se está a passar com os veículos de conteúdos e outros meios de comunicação suspensos e/ou encerrados por força da mudança da legislação proposta pelo partido MPLA e seu Governo, com o respaldo da maioria qualificada no parlamento conseguida sabe-se lá como, é deveras lamentável num país onde o governo havia prometido promover 500 mil empregos em 2017”, declarou Tchizé dos Santos à Lusa.

A operadora DSTv, detida pela sul-africana Multichoice, anunciou hoje que vai retirar da sua plataforma a Vida TV, um dos três canais suspensos desde abril por decisão do Governo angolano, que invocou “inconformidades”.

A Vida TV já tinha comunicado internamente a decisão aos seus colaboradores anunciando que vai fechar portas em 31 de julho, deixando no desemprego mais de 300 profissionais, na sequência da rescisão do contrato com a DSTv.

“É muita gente no desemprego, equipas inteiras de jornalistas, apresentadores, pessoal logístico. Preferia que ficassem com o canal e mantivessem os empregos”, lamentou.

Tchizé dos Santos garante ter cumprido o que estava estabelecido tendo em conta a legislação vigente na época em que o canal foi lançado (2018) e lamentou os “boicotes e perseguição financeira” por parte do Estado angolano.

“Foi mudada a lei propositadamente para obrigar todos os que quiserem emitir um canal de televisão passarem a ter que pagar aproximadamente um milhão de dólares norte-americanos, porém as leis e decretos não deviam ser retroativos e deviam ser respeitados os direitos adquiridos de quem já estava a operar à luz das regras anteriores”, sublinhou.

Tchizé dos Santos, foi uma das investidoras iniciais da Vida TV, mas de acordo com uma fonte do canal, que pediu para não ser identificada, a filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos foi convidada a sair do projeto poucos meses depois do início da operação, “por causa dos seus interesses pessoais e políticos”.

“Nunca tivemos nenhuma contribuição da senhora, nunca ninguém a viu por aqui e ninguém estava a trabalhar sob a sua orientação ou agenda, basta olhar para o conteúdo produzido. Mas ficámos pelo caminho por causa dessa infeliz associação”, disse a fonte, sublinhando que “quem aqui está [Vida TV], só queria trabalhar, não quer saber de política”.

À Lusa, Tchizé dos Santos considerou que os seus sócios foram pressionados a afastá-la na altura, para poderem manter o canal.

“Hoje vê-se que nem isso bastou”, comentou.

Questionada sobre se perdeu dinheiro com o investimento feito na Vida TV, a empresária respondeu que a Westside, em que detém 35% do capital, participou num investimento total de dois milhões de dólares, e a Semba (onde detém 25%) “investiu também a sua parte”.

“Claramente, estou a ter um prejuízo financeiro e reputacional brutal, e a nível internacional”, frisou, acrescentando que está à procura de oportunidades em Portugal.

“Estou extremamente triste e gostaria de poder começar um novo canal no mercado português onde também tenho ligações por razões familiares e não só”, continuou.

Tchizé dos Santos salientou que o “mundo dos negócios é global”: “Eu hoje busco oportunidades no ramo da comunicação em Portugal, Moçambique, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé, porque produzo conteúdo em língua portuguesa”.

Tchizé dos Santos é atualmente influenciadora digital e criou um canal de Youtube chamado “Lifestyle em Português”.

Leia Também: Angola. Vida TV fecha após suspensão do governo e deixa 300 desempregados