Início Notícias ‘Cordyceps’, um espetáculo sobre um fungo ideológico no fim da democracia

‘Cordyceps’, um espetáculo sobre um fungo ideológico no fim da democracia

 

Projeto da autoria de Eduardo Molina, João Pedro Leal e Marco Mendonça, coproduzido pela Rede 5 sentidos, parte de uma ideia base, que é o fungo endoparasita cordyceps, que normalmente se aloja em insetos de tamanho pequeno, e os transforma “numa espécie de zombies”, explicou à Lusa Marco Mendonça.

Os insetos “perdem as suas capacidades motoras e de coordenação, o seu livre arbítrio, se pudermos chamar assim, e passam a ser comandados ou controlados por este fungo que os faz, antes de mais, procurar um lugar alto e húmido onde possam morrer”.

Basicamente, o que acontece é que “uma formiga quando é infetada por este fungo procura uma árvore alta e no alto dessa árvore encontra um ramo onde se possa prender e deixar-se morrer. Depois, da sua cabeça nasce um cogumelo e uma penugem branca no exoesqueleto, e esse cogumelo vai lançar esporos para infetar outros insetos nas redondezas”.

Esta é a ideia base do projeto, mas os três criadores quiseram associar “o fungo a uma intervenção mais humana, como se o fungo se pudesse manifestar no ser humano”, explorando de que maneira o faria.

“Pusemos logo de parte a possibilidade de ser uma manifestação física, mas tentámos ir mais longe, pegando na questão do bloqueio das vontades e das aspirações, e do controlo motor do ser humano, e associámos o fungo a uma ideia mais psicológica de mudança de pensamento, de manipulação, controlo por uma espécie de entidade desconhecida”, explicou o encenador.

A proposta para este espetáculo é que o cordyceps passe a ser uma “espécie de fungo ideológico, em que as pessoas, quando são infetadas por ele, passam a ser mais facilmente manipuláveis, passam a acreditar mais facilmente em mentiras e teorias da conspiração e tornam-se, por consequência, um bocadinho menos sensíveis às questões humanitárias, políticas, humanas no geral”.

“O espetáculo pega muito nessa ideia, do que é verdade e mentira, a forma como interpretamos a informação que recebemos e a maneira como lidamos uns com os outros”, acrescentou Marco Mendonça.

Segundo Eduardo Molina, a reflexão que o espetáculo pretende propor é “o que é que este fungo quer? Quer-nos manipular para quem? De que maneira é que nos afeta? E nós pegamos num fungo que é real, mas não infeta seres humanos, e decidimos fantasiar um pouco sobre o que poderia acontecer se infetasse seres humanos”.

Sem querer revelar muito de como é que o espetáculo se desenrola, João Pedro Leal explica que parte da ideia de que “este seria o ultimo dia da democracia e este seria o último espetáculo”.

“Não sabemos o que vai acontecer amanhã, mas sabemos que não vai haver tanta liberdade. Partimos desse ponto, da impossibilidade de fazermos o espetáculo que queríamos dado o contexto em que nos encontramos, ou seja, certamente se as coisas fossem mudar a partir de amanhã, não faria tanto sentido fazer o Hamlet, mas sentarmo-nos numa rodinha a discutir o que é que vai acontecer amanhã. Não é isto que vai acontecer, mas idealmente é neste sentido: o que é que se faz agora?”.

Posto em concreto, a peça parte desta base: os atores (que são também os criadores) encontram-se ali, naquela situação, deveriam ter um coro no espetáculo, mas que não é possível dadas as circunstâncias, e por isso não têm outra hipótese de fazer o espetáculo que queriam, mas há uma coisa que sabem, e aqui tornam-se “os conspiradores”, que “existe este fungo, que está a infetar as pessoas e a democracia como a conhecemos”.

“Então, o espetáculo anda um bocado à volta disto, de conspirações, de universos paralelos, desinformação, mentiras, memória, aquilo que queremos que as pessoas guardem na memoria, se é verdade, se não é verdade, também estamos a manipular o público para acreditar no que estamos a dizer”.

Contudo, não é um espetáculo interativo – salientou João Pedro Leal -, é uma peça em que há desafio, comunicação e interpelação direta do público, procurando levá-lo a questionar, mas sem nunca ser chamado a participar.

Esta é a segunda criação conjunta deste coletivo, que se conheceu na Escola Superior de Teatro e Cinema e, desde então, tem vontade de fazer projetos em conjunto.

O primeiro trabalho foi concretizado há dois anos, quando concorreram à Bolsa Amélia Rey Colaço e fizeram um espetáculo chamado “Parlamento Elefante”.

“A vontade de criar em conjunto continuou e agora surgiu esta oportunidade”, através da Rede 5 sentidos, no âmbito do programa Convite à Criação Artística.

O espetáculo estreia-se no dia 3 de junho, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, e parte depois em digressão, para o Teatro Viriato, em Viseu, a 9 de junho, para o Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra, a 2 de julho, e para o São Luiz Teatro Municipal, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de julho.

No dia 25 de setembro, “Cordyceps” apresenta-se no Teatro Micaelense (São Miguel, Açores), no dia 16 de outubro, no Teatro Municipal da Guarda, no dia 23 de outubro, no Cine-Teatro Louletano (Loulé) e termina no Teatro Carlos Alberto (Porto) a 29 e 30 de outubro.

Leia Também: ‘Quem matou o meu pai?’ de Édouard Louis por Ivo van Hove em Almada