Início Notícias Covid-19: Testes da vacina da Sanofi-GSK mostram eficácia do composto

Covid-19: Testes da vacina da Sanofi-GSK mostram eficácia do composto

Após as duas doses da vacina, os testes realizados nos voluntários mostram anticorpos na mesma linha das pessoas que recuperaram da doença, de acordo com os resultados da Fase 02 divulgados hoje.

Os fabricantes preveem iniciar os últimos ensaios nas próximas semanas e esperam que a vacina seja aprovada antes do final do ano.

Os resultados referentes à Fase 02 envolveram 722 voluntários com idades entre os 18 e os 95 anos recrutados nos Estados Unidos e nas Honduras. 

A fase final dos ensaios vai envolver 37 mil participantes de países de todo o mundo.   

Os reguladores já autorizaram uma série de vacinas contra o covid-19, mas os especialistas aconselham mais investigação capaz de dotar os sistemas de saúde em todo o mundo de novos compostos necessários para enfrentar a crise sanitária que já provocou a morte a mais de três milhões de pessoas, a nível global. 

A vacina Sanofi-GSK faz parte da estratégia de vacinação da União Europeia e pode vir a ser adotada pelo governo francês caso os investigadores reformulem o composto que anteriormente mostrou falta de eficácia nos grupos de pessoas idosas. 

A Sanofi-GSK pode juntar-se, depois de todos dos ensaios, e em caso de vir a ser aprovada, a dezenas de outros compostos que também estão a ser investigados noutros laboratórios.

As companhias pretendem produzir mil milhões de doses anualmente e já assinaram acordos com vários países, nomeadamente com os Estados Unidos e o Canadá.

Especialistas em saúde pública dizem que são necessárias várias vacinas para enfrentar a pandemia de SARS CoV-2. 

“Nós sabemos que são precisas muitas vacinas, especialmente numa altura em que são detetadas novas variantes do vírus assim como é necessário desenvolver compostos que possam ser armazenados sob temperaturas normais”, disse Thomas Triomphe, chefe da unidade de vacinas da Sanofi. 

Leia Também: Risco de hospitalização é de apenas 0,06% após a vacinação, diz estudo