Início Notícias Expansão de "cafés" com bonecas sexuais alarma pais na Coreia do Sul

Expansão de "cafés" com bonecas sexuais alarma pais na Coreia do Sul

 

Os cafés oferecem “experiências” com as bonecas sexuais em tamanho real, feitas muitas vezes à semelhança de atrizes ou outras mulheres famosas – com silicone e detalhes realísticos.

A mais recente polémica envolvendo um destes cafés teve lugar 50 quilómetros a sul da capital Seul, na cidade de Yongin, onde um empresário foi obrigado a encerrar o estabelecimento e a procurar novo poiso com as suas bonecas, depois de um abaixo-assinado de pais locais a favor do encerramento ter reunido mais de 36 mil assinaturas. 

Apenas 3 dias depois da inauguração, e depois de um investimento de mais de 40 milhões de won (cerca de 33 mil euros), o empresário foi vergado pela pressão pública – e apesar de a câmara municipal se declarar impotente para intervir.

Neste tipo de espaços, as bonecas são geralmente expostas sem roupa ou em roupa interior.

A agitação em torno dos “cafés-experiência” estendeu-se a meios judiciais e ao parlamento sul-coreano.

No final de fevereiro, o Tribunal Administrativo de Seul decidiu a favor de um importador local que havia processado um funcionário da alfândega que impediu o tráfego aduaneiro de bonecas sexuais.

Durante o julgamento, o importador, citado pelo jornal Korea Herald, defendeu-se dizendo que “embora a boneca sexual seja um dispositivo de masturbação para homens com forma e tamanho semelhantes aos das mulheres adultas, ela não (…) prejudica seriamente a dignidade e o valor humanos”.

O despachante alfandegário defendeu, por seu lado, que “uma boneca sexual é um produto para adultos feito apenas para despertar o interesse sexual e satisfazer desejos sexuais, e enquadra-se em ‘bens que vão contra os costumes’ cuja importação é proibida de acordo com a Lei Aduaneira.”

O tribunal admitiu que as bonecas sexuais dão uma impressão de vulgaridade e promiscuidade em geral, mas concluiu que os dispositivos sexuais têm a finalidade de satisfazer o desejo sexual em vez do contato físico, e como tal têm de ser conforme as características do corpo humano. 

Entretanto, alguns deputados avançaram com projetos de lei para regular a produção e a venda de bonecas sexuais, nomeadamente Song Ki-heon, do partido Democrático da Coreia do Sul, que propõe uma revisão das leis relacionadas aos crimes sexuais proibindo que aquelas sejam modeladas a partir da aparência de crianças, adolescentes e pessoas específicas, sob pena de prisão.

O deputado Choi Hye-young, do mesmo partido, também propôs uma emenda parcial à Lei de Proteção Sexual de Crianças e Adolescentes para restringir a produção, venda e aluguer de bonecas sexuais na forma de crianças e adolescentes.

Entretanto, o uso das bonecas continua a generalizar-se, até de forma inesperada.

No ano passado, e com os estádios encerrados ao público devido à pandemia, o FC Seul usou bonecas sexuais em tamanho real, vestidas com o equipamento do clube, para ajudar a preencher algumas das cadeiras vazias.