Início Notícias Comissão de Trabalhadores da Groundforce insiste na nacionalização

Comissão de Trabalhadores da Groundforce insiste na nacionalização

 

“Neste momento não há garantia nenhuma do empréstimo de 30 milhões de euros com o aval do Estado e a única posição que podia ser sustentável, já que este é um serviço essencial e alguém tem de o garantir e o Estado já está a pagar tanto, é o Estado tomar o controlo da empresa. É a única proposta que será viável e que ficará mais barata ao país”, defendeu na audição parlamentar na Assembleia Legislativa requerida pelo PCP sobre a situação na empresa.

Nélia Azevedo, da Comissão de Trabalhadores dos funcionários da Groundforce na Madeira e no Porto Santo, disse que os salários de fevereiro já foram pagos, que o ‘lay-off’, em vigor desde março de 2020 não tem data definida e que, em atraso, estão as anuidades, as progressões nas carreiras e os subsídios de férias referentes.

Em 19 de março, depois de várias negociações, a Groundforce e TAP chegaram a um acordo, em que a companhia aérea adquiriu por cerca de sete milhões de euros equipamentos da empresa de ‘handling’ (assistência nos aeroportos), que passa a pagar à TAP pelo aluguer deste material. Este acordo permitiu desbloquear provisoriamente o impasse na empresa e pagar os salários em atraso aos 2.400 trabalhadores.

O acordo foi fechado com três votos a favor — os dois administradores nomeados pela TAP e o presidente executivo da empresa de ‘handling’, Paulo Neto Leite –, a abstenção do presidente do Conselho de Administração, Alfredo Casimiro, e um voto contra, disse então à Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo adiantou à Lusa a mesma fonte, os dois administradores da Groundforce nomeados pela TAP, acionista minoritário (49,9%), aprovaram o acordo, a que se juntou o presidente executivo da empresa de ‘handling’, Paulo Neto Leite (nomeado pela Pasogal), que já tinha manifestado na véspera a sua intenção de validar o acordo proposto pela TAP.

Por seu lado, o presidente da Pasogal absteve-se e o outro administrador nomeado pelo acionista privado, Gonçalo Carvalho, votou contra.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português e que é acionista minoritário e principal cliente da empresa que presta assistência nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Porto Santo.

A empresa, que tinha 3.600 trabalhadores, tem atualmente 2.400, 208 dos quais nos aeroportos da Madeira e do Porto Santo.

Leia Também: Sindicatos exortam Groundforce a garantir liquidez de tesouraria em maio