Início Notícias Petrolifera saudita Aramco arrenda rede de oleodutos por 10,4 mil milhões

Petrolifera saudita Aramco arrenda rede de oleodutos por 10,4 mil milhões

O acordo, noticiado pela agência noticiosa oficial da Arábia Saudita, SPA, envolve a criação de uma empresa subsidiária, a Aramco Oil Pipelines Company, na qual a Aramco tem uma posição maioritária de 51%, garantindo o seu direito de utilização, com o compromisso de um volume mínimo em troca do pagamento de uma taxa.

De acordo com a companhia petrolífera, esta transação faz parte da estratégia da empresa para “libertar o potencial da sua base de ativos e maximizar o seu valor para os acionistas”, ao mesmo tempo que reforça o seu papel “como catalisador para atrair investimento estrangeiro significativo” para a Arábia Saudita, refere a SPA.

O vice-presidente de Desenvolvimento Corporativo da empresa saudita, Abdulaziz bin Mohamed al Guaimi, citado pela agência, disse que o contrato lhes permite reforçar o seu balanço financeiro e “a resiliência, agilidade e capacidade da Aramco para responder às dinâmicas de mercado, em mudança”.

Esta operação da companhia petrolífera estatal saudita, o maior exportador mundial de petróleo bruto, surge numa altura em que os lucros da empresa foram drasticamente reduzidos devido à crise económica provocada pela pandemia da covid-19 e aos baixos preços internacionais do petróleo bruto.

Apesar disso, a empresa tem mantido o pagamento de dividendos em níveis elevados, pelo que foi forçada a recorrer a outras estratégias de financiamento, tais como uma emissão de dívida em novembro do ano passado.

A Aramco fez uma oferta pública de capital, em dezembro de 2019, embora tenha oferecido apenas 1,5% das suas ações.

O resto permanece nas mãos do governo saudita, que lançou nos últimos anos uma série de projetos ambiciosos e multimilionários, financiados com dinheiro das exportações de petróleo, para modernizar o país e diversificar a economia, altamente dependente do petróleo bruto.

Leia Também: Gigante petrolífera Aramco com queda abrupta de 44,4% nos lucros em 2020