Início Notícias Nova Iorque apresenta "passaporte secreto" para aceder aos vários espaços

Nova Iorque apresenta "passaporte secreto" para aceder aos vários espaços

 

O ‘Excelsior Pass’, que passou por vários testes nas últimas semanas, é uma plataforma gratuita e voluntária desenvolvida pelo Estado nova-iorquino em conjunto com a empresa de tecnologia IBM, que utiliza a tecnologia “blockchain”, para proteger os dados dos usuários e que permite imprimir a identificação ou armazená-la num aplicativo móvel.

Segundo o governador Andrew Cuomo, Nova Iorque é o primeiro Estado norte-americano a utilizar, formalmente, este tipo de tecnologia após “duas demonstrações piloto bem-sucedidas” e uma versão beta com “milhares de pessoas” que deram sua opinião sobre a interface e os resultados, lê-se no comunicado oficial.

A identificação, semelhante a um cartão de embarque de avião que mostra um código “QR”, foi testada pela primeira vez durante o jogo de basquetebol jogado pelo Brooklyn Nets no passado dia 27 de fevereiro, no Barclays Center, e pode-se atualmente solicitar o seu uso tanto para pessoas como para empresas.

“Grandes locais já anunciaram que começarão a usar a tecnologia nas próximas semanas, incluindo o Madison Square Garden, em Nova Iorque, a partir da próxima semana e o Times Union Center, em Albany. A partir de 02 de abril, o ‘Excelsior Pass’ será expandido para salas menores, locais de entretenimento e eventos “, explicou Cuomo.

O político democrata considerou que osnova-iorquinos “demonstraram que podem seguir as recomendações das autoridades sanitárias para vencer a Covid-19” e referiu-se ao “passaporte secreto” como uma “nova ferramenta para combater o vírus, permitindo que mais setores da economia reabram com segurança”.

O ‘Excelsior Pass’ foi projetado com a tecnologia Digital Health Pass da IBM e permite a verificação segura de credenciais de saúde, como resultados de testes e registos de vacinas, sem a necessidade de partilhar outras informações médicas e pessoais, assinalou o governador em comunicado.

Leia Também: EUA com 1.700 mortos e 79.256 casos nas últimas 24 horas