Início Notícias Abriu em Nova Iorque primeira galeria dedicada a obras digitais NTF

Abriu em Nova Iorque primeira galeria dedicada a obras digitais NTF

 

Com cada obra desmaterializada, estas são apresentadas em ecrã gigante ou por projeção, em um espaço situado em Manhattan.

Todos os dias vão ser expostas obras de cinco artistas, com uma rotação diária durante 60 dias, até 25 de maio.

O NFT (sigla de ‘non-fungible token’) é um ativo digital que devido a uma tecnologia de cadeia de blocos, denominada “blockchain”, fica registado como único, irreplicável, e com um historial de transações que pode ser seguido desde a origem da “obra”.

Permite associar um certificado de autenticidade a todo o objetivo virtual, seja imagem, foto, animação, vídeo, música ou um artigo de imprensa.

Este certificado é teoricamente inviolável e não pode ser duplicado. É concebido graças à tecnologia dita ‘blockchain’, que serve de base às criptomoedas, como a ‘bitcoin’.

A popularização do NFT nos últimos seis meses transformou o mercado da coleção digital, atraindo investimentos de milhares de milhões de dólares.

Cada obra colocada em exposição será depois leiloada, explicou Ed Zipco, cofundador e diretor das galerias Superchief, que apresentam obras digitais desde 2016.

Cerca de 70% dos artistas que vão expor não são na sua origem criadores digitais, adiantou Ed Zipco, em particular escultores, pintores ou fotógrafos.

Mas, “cada vez mais artistas suficientemente conhecidos para estarem expostos em museus expõem” nos novos termos, adiantou.

A arte digital existe desde há décadas, mas a chegada do NFT permitiu tranquilizar os colecionadores quanto ao risco de cópia. É possível duplicar uma obra digital, mas o certificado NTF vendida com ela é infalsificável.

Em 11 de março, uma obra digital do artista Beeple, intitulada “Everydays: The First 5000 Days” (“Todos os Dias: Os Primeiros 5000 Dias”) foi vendida por 69,3 milhões de dólares na Christie’s.