Início Mundo Pandemia acentuou "profundamente" as desigualdades em Marrocos

Pandemia acentuou "profundamente" as desigualdades em Marrocos

A incidência da pobreza aumentou de 1,7% para 11,7% à escala nacional, enquanto a taxa de vulnerabilidade duplicou de 7,3% para 16,7%, antes e durante o confinamento imposto à população na primavera de 2020, sublinha este estudo publicado na quarta-feira.

A pobreza, multiplicada por sete na média nacional, atingiu particularmente os meios urbanos, que registam uma taxa multiplicada por 14 (passando de 0,5% a 7,1%), segundo o HCP.

Os marroquinos já tinham registado uma nítida desaceleração na melhoria do nível de vida entre 2013 e 2019, em comparação com o período 2006-2013, revela o relatório.

As desigualdades sociais “deterioram-se” durante o confinamento, ultrapassando o “limite socialmente tolerável”, segundo o HCP, cujo estudo abrange o período 2019-2020.

No entanto, as ajudas públicas desbloqueadas entre maio e julho de 2020 para cerca de cinco milhões de agregados familiares vulneráveis permitiram “reduzir” as desigualdades motivadas pela crise sanitária, segundo o estudo.

Antes da pandemia, diversos relatórios nacionais e internacionais tinham alertado sobre as disparidades sociais do país.

No final de 2019, o rei Mohammed VI encarregou uma comissão especial de repensar o modelo de desenvolvimento e de reduzir as desigualdades sociais e o relatório é aguardado para os próximos dias.

A economia marroquina, fortemente afetada pela crise sanitária, registou uma contração de 6,3% em 2020, segundo o banco central.

A taxa de desemprego disparou para 11,9% em 2020, contra 9,2% no ano precedente, devido à crise sanitária e a uma longa seca.

Marrocos (37,1 milhões de habitantes), em situação de emergência sanitária desde há um ano, regista oficialmente 493.353 casos de contaminação, incluindo 8.788 mortes, segundo o último balanço emitido hoje.

Permanece em vigor o recolher obrigatório, associado a diversas medidas restritivas.

A campanha nacional de vacinação iniciada no final de janeiro já permitiu imunizar 2,8 milhões de pessoas, mas segundo os ‘media’ locais continuam a registar-se consideráveis atrasos na entrega das encomendas.