Início Notícias Diretor do Africa CDC alerta contra guerra de vacinas

Diretor do Africa CDC alerta contra guerra de vacinas

John Nkengasong, que falava na conferência de imprensa semanal do África CDC, em formato digital, a partir da sede da União Africana (UA) em Adis Abeba, Etiópia, manifestou-se “totalmente impotente” quanto ao impacto que irá provocar no combate à covid-19 em África a decisão do Instituto Serum da Índia suspender o envio para o continente de grandes quantidades da vacina da AstraZeneca, a fim de satisfazer a crescente procura interna.

“Sem o acesso às vacinas, o desafio será cada vez maior. Vamos perder vidas”, afirmou.

Sublinhando que a “batalha tem de ser coletiva”, Nkengasong disse ainda que mantém a esperança no “poder do humanismo”.

“Não há absolutamente nenhuma necessidade, absolutamente nenhuma necessidade que nós, enquanto humanidade, entremos numa guerra de vacinas para combater esta pandemia. Ficamos todos a perder”, afirmou ainda o diretor do África CDC.

O Instituto Serum da Índia produz as vacinas AstraZeneca que estão a ser enviadas para África através da iniciativa internacional Covax, que garante o acesso às vacinas a países de baixo e médio rendimento. Pelo menos 28 dos 55 Estados-membros da UA receberam até agora mais de 16 milhões de doses através da Covax.

As remessas de vacinas através da Covax continuam a chegar a diferentes países africanos. O Sudão do Sul, por exemplo, receberá hoje mais de 100.000 doses.

A Covax tem, no entanto, enfrentado atrasos relacionados com a limitação do fornecimento em termos globais, assim como com questões logísticas. É por isso que alguns países como a África do Sul, a nação africana mais duramente atingida, estão também a procurar vacinas anti-Covid-19 através de acordos bilaterais e através do programa de compras por grosso da União Africana.

A África, com cerca de 1,3 mil milhões de habitantes, espera vacinar 60% da sua população até ao final de 2022, por forma a alcançar a imunidade de grupo.

Esse objetivo não será, quase certamente, atingido sem a utilização generalizada da vacina AstraZeneca, que é vista como central na estratégia global para erradicar a pandemia do coronavírus. A vacina do fabricante anglo-sueco de medicamentos é mais barata e mais fácil de armazenar do que outras e constituirá a quase totalidade das doses enviadas no primeiro semestre do ano através da COVAX.

Especialistas alertaram que até que as taxas de vacinação sejam elevadas em todo o mundo, o vírus continuará a ser uma ameaça global.

Leia Também: AO MINUTO: Estrangeiros podem circular na Páscoa. 2.ª fase reavaliada?