Início Mundo Brasil investiga grupo responsável por oferta falsa de milhões de vacinas

Brasil investiga grupo responsável por oferta falsa de milhões de vacinas

Em comunicado, a PF frisou que a oferta de 200 milhões de doses foi feita por supostos representantes de um grande consórcio farmacêutico que apresentaram credenciais falsas.

O nome do consórcio farmacêutico e dos investigados envolvidos neste caso não foram revelados pela polícia brasileira.

As investigações começaram a partir de uma informação encaminhada pelo próprio Ministério da Saúde à polícia.

Estas informações iniciais apontavam que pelo menos dois homens, através de duas empresas, apresentaram credenciais falsas, afirmando terem exclusividade para a comercialização do lote de 200 milhões de vacinas.

“Além do Ministério da Saúde, identificou-se que a oferta fraudulenta também era feita a outros gestores públicos”, destacou a PF.

Desde o início da manhã, os agentes da polícia cumprem sete mandados de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Os mandados foram expedidos pela Justiça do Distrito Federal.

“Os factos apurados amoldam-se aos crimes de associação criminosa, estelionato em face de entidade pública [crime contra o património], falsificação de documento particular e falsificação de produto destinado a fins medicinais”, concluiu a PF.

Um balanço da vacinação contra a covid-19 divulgado na quarta-feira pelos principais meios de comunicação social que firmaram um consórcio no Brasil para recolher dados sobre a pandemia divulgou que 13.389.523 pessoas já receberam a primeira dose de vacina no país. O número representa 6,32% da população brasileira.

Na quarta-feira, o Brasil ultrapassou a marca das 300 mil mortes devido à covid-19 (300.685).

O país já registou um total para 12.220.011 casos positivos de covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.735.411 mortos no mundo, resultantes de mais de 124,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.