Início Notícias Kamala Harris denuncia existência de racismo, xenofobia e sexismo nos EUA

Kamala Harris denuncia existência de racismo, xenofobia e sexismo nos EUA

“O racismo é real, na América, e sempre foi. A xenofobia é real, na América, e sempre foi. Tal como o sexismo”, disse Harris, que é de origem afro-americana e asiática e acompanhou o Presidente norte-americano, Joe Biden, na visita a Atlanta.

Os dois reuniram-se com funcionários públicos e líderes comunitários asiáticos na cidade do sul.

Na aparição posterior, a vice-presidente enumerou vários casos de discriminação contra os asiáticos ao longo da história dos EUA, incluindo leis que proibiam os trabalhadores chineses que construíram a ferrovia na década de 1860 de comprar propriedade.

Também o internamento forçado de 120.000 pessoas de etnia japonesa durante a Segunda Guerra Mundial. “Um flagrante e absoluto abuso dos seus direitos civis e humanos”, observou a vice-presidente.

Harris disse que a comunidade asiática tem sido atacada e bode expiatório durante o ano passado: “As pessoas com os maiores pódios a espalhar este tipo de ódio.

As primeiras notícias do crime de terça-feira rapidamente foram ligadas à onda de crimes de ódio contra pessoas de ascendência asiática, mas o suspeito admitiu mais tarde às autoridades que tinha como alvo três casas de massagens asiáticas, porque as “culpou” de terem fornecido uma forma de manter o seu vício sexual ativo e queria “remover a tentação”.

Apesar dessa confissão, os líderes políticos e os meios de comunicação social quase se inclinaram para a questão da violência baseada no género, e as observações de Biden em Atlanta não foram exceção, uma vez que o Presidente também pôs a tónica no racismo.

Biden disse que ainda não é inteiramente clara “a motivação” do atacante de Atlanta, mas observou que “o ódio não pode encontrar um porto seguro na América”. “Cabe a todos nós pará-lo”, acrescentou.

O Presidente dos EUA recordou que a violência contra asiáticos no país disparou desde o início da pandemia: “Foram atacados, culpados, bode expiatório e assediados”, bem como “mortos”.

“As palavras têm consequências. Isto é [porque os culpam] do coronavírus, ponto final”, disse, sem chegar ao ponto de se referir diretamente ao seu antecessor, Donald Trump, que costumava referir-se à covid-19 como “vírus da China”.

“O ódio e a violência são muitas vezes escondidos à vista de todos. São frequentemente respondidas com silêncio, mas isso tem de mudar, porque o nosso silêncio é cumplicidade. Não podemos ser cúmplices, temos de agir”, sublinhou.

Leia Também: Biden apela a que população denuncie racismo e critica Trump