Início Mundo Dirigentes de partido pró-curdo da Turquia detidos em todo o país

Dirigentes de partido pró-curdo da Turquia detidos em todo o país

Na quarta-feira, um procurador turco pediu ao Tribunal Constitucional a proibição do Partido Democrático dos Povos (HDP), a terceira formação política do país que o Presidente Turco, Recep Tayyip Erdogan, acusa de envolvimento em atos terroristas.

Dez dirigentes do HDP foram presos hoje em Ancara, 10 em Istambul, 15 em Adana (sul) e 11 em Kocaeli e Eskisehir (noroeste), de acordo com vários jornais.

O partido confirmou 36 detenções até ao momento, sendo acusados de ligação aos “rebeldes curdos”.

O HDP é alvo da repressão governamental desde 2016, ano em que o líder do partido, Selahattin Demirtas, foi detido, continuando preso apesar dos vários recursos que foram apresentados ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. 

No processo de acusação contra o HDP, o procurador usou os argumentos do Presidente Erdogan afirmando que o partido está ligado de “forma orgânica” ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), qualificado como terrorista pelo governo de Ancara.

O mesmo procurador pede também que 687 membros do HDP sejam impedidos de exercerem funções políticas no país durante um período de cinco anos. 

A secretária-geral do Conselho da Europa, Marija Pejcinovic Buric, considerou “muito problemática” a eventual proibição do HDP.

Na quarta-feira, o Parlamento da Turquia retirou o mandato a um deputado do HDP, Faruk Gergerlioglu, conhecido pelas posições críticas dos abusos contra os direitos humanos cometidos por Erdogan.

Por outro lado, a polícia prendeu hoje em Ancara o chefe da Associação dos Direitos Humanos (IHD), Ozturk Turkdogan, durante uma busca domiciliária, indicou a organização não-governamental.

“Os nossos advogados estão a tentar obter informações sobre o assunto. Esta detenção é uma violação flagrante dos direitos humanos. Ele (Turkdogan) deve ser libertado de imediato”, disse a organização através da rede social Twitter.

Leia Também: Presidente parlamento turco defende ilegalização do partido pró-curdo HDP