Início Mundo Polícia argentina encontrou com vida menina raptada há três dias

Polícia argentina encontrou com vida menina raptada há três dias

Maia Yael Beloso, a menina de 7 anos que as autoridades argentinas procuravam desde segunda-feira, após ter sido sequestrada na rua, foi encontrada com vida, nas imediações da Universidade de Luján, em Buenos Aires. Foi encontrada com o seu raptor, Carlos Savanz, a circular de bicicleta.

A menina está bem de saúde, ainda que desorientada, com frio e com fome. “Tinha fome e algum frio”, indicou um representante da família, em conferência de imprensa, citado pelo argentino La Nacion.

Num vídeo (que pode ver acima) publicado nas redes sociais é possível ver o momento em que a menina foi encontrada, com uma agente policial a colocar-lhe um casaco nos ombros e a pegar nela ao colo.

A descoberta da criança foi possível graças a uma denúncia de uma moradora de Luján, que alertou as autoridades para “a presença do suspeito com a menina, a dormir na rua”.

Notícias ao MinutoMaia, fotografada na esquadra da polícia© Twitter  

A menor já contactou com a família, mas foi primeiro levada a uma unidade hospitalar, para “perícias físicas e psicológicas”. Ao falar com a mãe pelo telefone, perguntava apenas quando a iriam buscar, de acordo com o jornal.

Recorde-se que as autoridades da capital argentina tinham ativado o ‘Alerta Sofia’, o protocolo de alerta de emergência perante casos de menores em perigo grave, após o rapto de Maia, tendo a polícia assumido que a “prioridade n.º 1” era encontrar a criança, num incidente que deixou o país em suspenso.

Maia Yael Beloso desapareceu na segunda-feira, tendo o seu alegado raptor sido identificado como Carlos Savanz, um homem com antecedentes criminais por abuso de menores. Este foi identificado graças à análise de 300 câmaras de vigilância da capital e da província. A menina e o alegado raptor entraram num comboio às 9h52 de segunda-feira e saíram numa estação às 10h39, tendo sido perdidos de vista.

Leia Também: Desaparecimento de menina de 7 anos coloca Argentina em suspenso