Início Mundo Coreia do Norte alertou que não mudará de posição em relação aos...

Coreia do Norte alertou que não mudará de posição em relação aos EUA

 

Num comunicado divulgado pela agência oficial KCNA, a primeira vice-ministra dos Negócios Estrangeiros norte-coreana, Choe Son-hui, afirmou que não pode haver contacto ou diálogo entre Washington e Pyongyang a menos “que os Estados Unidos acabem com a sua política hostil em relação à RPDC (República Popular Democrática da Coreia)”.

O alerta de Pyongyang ocorreu no dia em que o secretário de Estado, Antony Blinken, e o secretário da Defesa, Lloyd Austin, estiveram em Seul no âmbito de uma visita para reforçar os laços de Washington com os seus parceiros tradicionais na Ásia face à Coreia do Norte, que possui armas nucleares, e à crescente influência da China.

Após a visita a Seul, Blinken voou para a cidade de Anchorage no Alasca, onde se reunirá com os chefes da diplomacia chinesa sobre disputas territoriais e questões comerciais.

Desde a chegada de Joe Biden à Casa Branca, em janeiro, a nova administração norte-americana tentou em vão entrar em contacto com a direção norte-coreana.

Pouco antes da tomada de posse de Biden, o dirigente norte-coreano, Kim Jong-un, disse que os Estados Unidos eram o “principal inimigo” do país.

A exigência de uma “desnuclearização completa da Coreia do Norte” foi expressa diversas vezes por Blinken e Austin durante a sua visita, que começou no Japão.

As declarações de Blinken no Japão “chocaram-nos seriamente”, declarou Choe, que alertou que as possibilidades de aproximação surgidas durante o mandato do presidente Donald Trump já não eram relevantes.

As negociações entre Washington e Pyongyang estão num impasse desde o fiasco da cimeira de Hanói entre Kim e Trump, no início de 2019.

Os dois países não conseguiram entender-se sobre o desmantelamento do programa nuclear norte-coreano em troca do levantamento de sanções económicas internacionais.

A nova administração norte-americana pretende rever a sua política em relação a Pyongyang. No final do encontro dos altos responsáveis dos EUA com os seus homólogos sul-coreanos, Blinken reiterou o objetivo norte-americano de “desnuclearização da Coreia do Norte”.

Adiantou que em Anchorage, pretendia fazer pressão sobre a China, principal aliado diplomático e parceiro comercial de Pyongyang, para que ela interviesse, considerando o seu papel “essencial”.

“Ela tem uma influência considerável e penso que também tem interesse em que façamos qualquer coisa sobre o programa nuclear da Coreia do Norte”, sublinhou Blinken.

Mas as numerosas divergências entre Pequim e Washington poderão dominar o encontro no Alasca.

A administração de Joe Biden parece adotar a mesma política dura em relação a Pequim iniciada por Trump e procurar consolidar as alianças para limitar o poder da China na região, enquanto tenta cooperar em questões como as alterações climáticas.

Pequim deu hoje conta da sua “firme determinação” em defender os seus interesses e alertou Washington que qualquer pressão será “inútil”.

“A China não fará qualquer compromisso sobre assuntos relativos à sua soberania, segurança e interesses”, afirmou à imprensa um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian.

O encontro acontece num contexto de grande tensão bilateral entre Pequim e Washington sobre várias questões: Hong Kong, direitos humanos, rivalidade tecnológica e espionagem, tratamento da minoria uigure no Xinjiang e ainda o comércio.

Leia Também: Estratégia dos EUA para a Coreia do Norte pronta “nas próximas semanas”