Início Notícias Avaliação de responsabilidade de Floyd na sua morte requerida por defesa

Avaliação de responsabilidade de Floyd na sua morte requerida por defesa

 

A defesa do polícia Derek Chauvin e o procurador responsável pela acusação no caso de assassinato e homicídio culposo, esgrimiram argumentos na terça-feira perante o juiz Peter Cahill, do condado de Hennepin (Minneapolis, Estado do Minnesota), sobre a apresentação ou não perante os jurados de incidentes passados de Floyd com a polícia, nomeadamente em maio de 2019. 

Enquanto prossegue o processo de seleção de jurados, o juiz Cahill irá ponderar sobre a apresentação do passado de Floyd, cuja toxicodependência é reconhecida pela própria acusação, esperando-se para quinta-feira uma decisão.

Segundo o advogado de Defesa, Eric Nelson, novas provas justificam que o passado de Floyd seja apresentado aos jurados, nomeadamente drogas encontradas numa segunda revista ao carro da vítima e na viatura policial em que os agentes tentaram colocá-lo.

A defesa aponta ainda para as semelhanças entre os episódios de 2019 e 2020, tendo em ambos Floyd resistido à detenção, chamado pela mãe, acusado os agentes de o balearem, chorado e ainda engolido comprimidos, o que, segundo a defesa, tinha como objetivo ser levado para o hospital, para evitar a prisão. 

Na primeira detenção, Floyd estava na posse de cocaína e opióides e após o incidente fatal com a polícia em 2020, a autópsia ao afro-americano revelou a presença de fentanyl e metanfetaminas no organismo.

A defesa aponta ainda que em 2019 Floyd foi avisado por paramédicos que a sua tensão arterial era muito elevada, colocando-o em risco de ataque cardíaco.

Floyd foi morto a 25 de maio de 2020 após Chauvin ter pressionado com o joelho o pescoço do afro-americano durante cerca de nove minutos. 

O vídeo da morte de Floyd, que se tornou viral, provocou uma onda de manifestações em todo o mundo contra o racismo e a violência policial.

Segundo o procurador Matthew Frank o uso de provas de 2019 é preconceituoso, destinando-se a “enlamear o caráter” de Floyd.

“Querem mostrar que a sua luta contra o vício de opiáceos, igual à de tantos americanos, é na realidade prova de mau caráter”, disse Frank, sustentando que apenas as circunstâncias do episódio de 2020 devem ser consideradas pelos jurados.  

O julgamento deverá ter início a 29 de março, caso o processo de seleção de jurados esteja concluído até lá.  

Entretanto, mantêm-se os processos contra o polícia que sufocou Floyd, Derek Chauvin, e outros 3 agentes que estavam presentes, todos já despedidos da polícia de Minneapolis. 

O juiz Peter Cahill, do condado de Hennepin, aceitou o pedido do Ministério Público para acrescentar uma acusação de assassínio em terceiro grau a Derek Chauvin.  

Chauvin já tem pela frente as acusações de homicídio em segundo grau e de assassínio.  

A família de Floyd, cuja morte serviu de móbil dos protestos “Black Lives Matter” denunciando a violência policial contra afro-americanos, chegou a acordo na semana passada com o município para desistir de um processo judicial a troco de uma indemnização de 27 milhões de dólares (22 milhões de euros).

 

Leia Também: Aprovada indemnização de 27 milhões para família de George Floyd