Início Notícias Antigo deputado do Mali sancionado pela ONU nomeado conselheiro no país

Antigo deputado do Mali sancionado pela ONU nomeado conselheiro no país

 

Mohamed Ould Mataly, antigo deputado de Gao (norte) e membro influente de um grupo armado pró-governamental, foi nomeado na terça-feira como conselheiro especial do coronel Malick Diaw, presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT), órgão que atua como parlamento, segundo um documento oficial hoje citado pela AFP.

Sob pressão internacional, os militares que derrubaram o Presidente Ibrahim Boubacar Keita em 18 de agosto de 2020 criaram órgãos de transição (presidência, primeiro-ministro e governo e órgão legislativo) e comprometeram-se a devolver o poder aos líderes civis eleitos no prazo de 18 meses.

No entanto, o controlo dos militares sobre a transição, assim como a dimensão da tarefa, levantaram questões sobre o cumprimento deste prazo, que deve terminar no início de 2022.

Da mesma forma, também algumas das nomeações feitas pelos militares geraram controvérsia, incluindo a de um antigo membro de uma milícia que é acusado de abusos, que se tornou encarregado de missão num ministério, ou a de um líder de um grupo armado assinalado pela ONU que obteve um lugar no CNT.

Ould Mataly, nascido em 1958, tem sido, desde 2019, alvo de sanções da ONU, que o acusa de envolvimento, através de interesses financeiros, em atividades de tráfico — em particular de drogas.

Contactado pela AFP, Ould Mataly confirmou a sua nomeação como conselheiro de Diaw, um dos líderes do golpe que derrubou o antigo chefe de Estado, dizendo que estava pronto a “servir o país”.

A instabilidade que afeta o Mali começou com o golpe de Estado em 2012, quando vários grupos rebeldes e organizações fundamentalistas tomaram o poder do norte do país durante 10 meses.

Independente desde 1960, o Mali viveu, em 18 de agosto do ano passado, o quarto golpe militar na sua história, depois dos episódios ocorridos em 1968, 1991 e em 2012, na sequência do qual foi destituído da Presidência Ibrahim Boubacar Keita.

Portugal tem atualmente dois militares empenhados na Minusma e outros 17 militares no âmbito de uma missão da União Europeia (EUTM).