Início Notícias "Disseram-nos que havia complôs para o FC Porto B descer de divisão"

"Disseram-nos que havia complôs para o FC Porto B descer de divisão"

O presidente do FC Porto Pinto da Costa esteve esta terça-feira em entrevista ao Porto Canal e o tema do FC Porto B, que se encontra no último lugar da II Liga, fez parte dos assuntos em análise.

O dirigente dos azuis e brancos apontou o dedo às arbitragens dos jogos da equipa secundária dos azuis e brancos, falando mesmo que existem “complôs” para que os portistas sejam despromovidos deste escalão.

“Hoje falei com um responsável do futebol português e falámos disso. Disseram-me que havia vários complôs para que o FC Porto B descesse. E apresentaram várias teorias. Uma delas, até foi dito em Chaves a um responsável do FC Porto, é que a federação tinha interesse que descesse. Isto porque indo para a III divisão os jogos davam no Canal 11. E outra teoria que era um complô da APAF. Os jogos da B também passam no Canal 11 se quiserem, fora de casa, em casa é no Porto Canal. Não acredito num nem noutro. O que disse à pessoa com quem falei foi que não acredito”, começou por dizer Pinto da Costa.

“Mas o que é certo é que domingo após domingo, o FC Porto perde pontos apenas por responsabilidade dos árbitros. Se não for esses dois complôs, diga por que é, disseram-me. Em bruxas não acredito, milagres só em Fátima e raramente. O último jogo em Chaves, o FC Porto faz o golo da vitória faltavam três minutos para o fim. Foi a pensar no complô da APAF? Não. Foi a pensar no complô da Federação? Não. Foi por incompetência, incapacidade? Se calhar foi. Milagre não foi, em bruxas não acredito”, prosseguiu.

“Jornada a jornada a equipa B perde pontos por erros dos árbitros. Se não é pelo Canal 11 ou pelo complô da APAF, então digam o que é. Bruxas? Não acredito. Milagres, só em Fátima e são poucos. O último jogo em Chaves, o FC Porto fez o golo da vitória a três minutos do fim. O jogador estava meio metro em jogo e o fiscal levantou a bandeira. Foi a pensar no Canal 11? Na APAF? Talvez não. Foi incompetência, talvez sim”, finalizou.