Início Mundo Traineira com 130 toneladas de fuelóleo encalha junto às Maurícias

Traineira com 130 toneladas de fuelóleo encalha junto às Maurícias

As Ilhas Maurícias sofreram um dos piores incidentes de poluição marítima da sua história há sete meses, com o derrame de cerca de mil toneladas de fuelóleo, na sequência do encalhamento do cargueiro de bandeira japonesa MV Wakashio, nas águas do arquipélago no Índico.

O capitão da traineira de bandeira chinesa, Lurong Yuan Yu, “lançou pedidos de socorro no domingo”, disse no domingo à noite o ministro das Pescas mauriciano, Sudheer Maudhoo.

Foguetes de socorro enviados pelo navio, que encalhou perto da costa num recife em Pointe-aux-Sables, no noroeste da ilha, junto a Port-Louis, foram igualmente avistados pela população em terra.

“O primeiro passo é bombear todo o petróleo a bordo”, disse o ministro no domingo, acrescentando que o navio de pesca não contém carga, mas 130 toneladas de fuelóleo e cinco toneladas de lubrificantes.

Entretanto foram já colocadas barras flutuantes à volta do navio para evitar a dispersão de combustível derramado.

O navio japonês MV Wakashio encalhou em 25 de julho de 2020 num recife de coral perto do Pointe d’Esny, na costa sudeste. Continha 3.800 toneladas de fuelóleo e 200 toneladas de gasóleo, que rapidamente começou a vazar, mas foi na sua maioria bombeado.

O caso suscitou a indignação da população mauriciana. Em 29 de agosto, entre 50.000 e 75.000 pessoas reuniram-se em Port-Louis para protestar contra a gestão do derrame de petróleo pelo Governo do primeiro-ministro Pravind Jugnauth. A capital mauriciana não era palco de uma manifestação com esta expressão desde 1982.

Entretanto, o desmantelamento da popa do navio está quase concluído – a proa e casco foram afundados ao largo – e as operações de limpeza de combustível foram concluídas.

Leia Também: Para ‘limpar’ a Maurícia, ativista usa lixo para criar instrumentos