Início Mundo Síria: Conflito pode fazer mais 6 milhões de deslocados na próxima década

Síria: Conflito pode fazer mais 6 milhões de deslocados na próxima década

O documento “A década mais escura”, baseado na análise de dados da ONU e entrevistas com refugiados e deslocados na Síria, Jordânia, Líbano e Iraque, alerta para a possibilidade de mais seis milhões de deslocados “se continuar o conflito, a insegurança e a deterioração económica”.

O relatório, que assinala o décimo ano do conflito no país árabe, considera um cenário com a manutenção do cessar-fogo decretado há um ano na província de Idlib, último reduto da oposição do país, alertando que o número poderá ser maior se houver uma nova grande ofensiva na região.

Desde a eclosão do conflito em 2011, uma média de 2,4 milhões de pessoas deslocaram-se dentro ou para fora do país árabe a cada ano.

Em 2020, para cada pessoa que conseguiu voltar para casa, quase quatro foram forçadas a sair.

Especificamente, no ano passado cerca de 467.000 pessoas voltaram para as suas áreas na Síria, enquanto 1,8 milhões de novos deslocamentos internos foram registados, não só devido ao conflito, mas também cada vez mais devido à crise económica e problemas de acesso aos serviços básicos, segundo a ONG.

Do total de 6,5 milhões de pessoas que vivem fora das suas áreas de origem no país, 70% estão deslocadas há mais de cinco anos e quase 25% tiveram de deixar tudo para trás pelo menos quatro vezes na vida.

“Esta foi uma década de vergonha para a humanidade”, alertou o secretário-geral do NRC, Jan Egeland, referindo que, se não forem tomadas medidas “urgentes” nos próximos dez anos, milhões de deslocamentos continuarão a registar-se, com o consequente “sofrimento”.

A guerra na Síria causou mais de 387.000 desde o seu início em 2011, assim como 6,5 milhões de deslocados e cinco milhões de refugiados.

O conflito continua a dividir a comunidade internacional e as negociações sob a égide das Nações Unidas não registam avanços.

Leia Também: Disparos de mísseis sobre refinarias na Síria provocam quatro mortos