Início Mundo Movimento exige ao Governo que "não poupe meios" na ajuda às vitimas

Movimento exige ao Governo que "não poupe meios" na ajuda às vitimas

“A GE Nuestra exige que as autoridades sejam tão transparentes e pontuais quanto possível na informação sobre as causas destas explosões. Da mesma forma, dada a gravidade dos factos, exige que o Governo não poupe meios para ajudar as vítimas”, defendeu a plataforma, num comunicado enviado à agência Lusa.

Várias explosões registaram-se hoje no quartel militar Nkuantoma, um bairro residencial de Bata, maior cidade e capital económica da Guiné Equatorial, causando mais de 500 feridos e um número indeterminado de mortos.

O chefe de Estado, Teodoro Obiang, falou em pelo menos 15 mortos, os serviços do Ministério da Saúde referiram 17 e a televisão pública TVGE aponta 20 pessoas mortas em consequência das explosões, que foram consideradas acidentais.

A plataforma GE Nuestra advogou a mobilização de todo o pessoal de saúde e que seja pedida ajuda internacional de emergência “dada a fraca capacidade do sistema de saúde para lidar” com tão grande número de feridos.

A organização propõe ainda a transferência de vítimas para os países vizinhos, a gratuidade de todos os serviços de saúde, o acolhimento urgente e gratuito em hotéis para as pessoas que ficaram sem casas e a mobilização de cadeias de supermercados para oferecer bens de primeira necessidade aos doentes e pessoal médico.

Pedem ainda que sejam disponibilizadas comunicações telefónicas e Internet gratuitas à população de Bata durante pelo menos uma semana para facilitar os contactos com familiares, entre outras medidas.

Na mesma nota, a organização expressa “profunda solidariedade” e apresenta “condolências às famílias das vítimas”, desejando “rápida recuperação para os feridos”.

“A Guiné Equatorial é também nossa e estaremos atentos aos acontecimentos, porque somos todos Bata”, frisou a plataforma.

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, disse que as explosões foram um acidente causado por negligência.

Num comunicado oficial, lido na televisão pública TVGE, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, disse que a cidade de Bata foi “vítima de um acidente causado por negligência e descuido da unidade responsável pela guarda e proteção dos depósitos de dinamite e explosivos anexos ao quartel militar de Nkuantoma“.

De acordo com a nota, foram queimadas em terrenos das proximidades que alastraram aos paióis e causaram as explosões, mas Teodoro Obiang informou ter ordenado a abertura de uma investigação exaustiva às causas do acidente.

Teodoro Obiang apresentou condolências aos familiares das vítimas, desejou as melhoras aos feridos e apelou para o apoio da comunidade internacional, acrescentando que o acidente acontece numa altura em que o país atravessa uma crise económica provocada pela quebra dos preços do petróleo e uma crise sanitária resultante da pandemia de covid-19.

Com o objetivo de fazer o mesmo apelo, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Simeon Oyono Esono Angue, reuniu-se hoje com o corpo diplomático acreditado em Malabo para pedir a ajuda dos parceiros internacionais.

Governada há mais de 40 anos por Teodoro Obiang, a Guiné Equatorial, um país rico em recursos, mas com largas franjas da população abaixo do limiar da pobreza, integra a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) desde 2014.

A recém-criada plataforma GE Nuestra junta líderes da sociedade civil, defensores dos direitos humanos, ativistas e profissionais na Guiné Equatorial e no estrangeiro com o objetivo de estabelecer um Estado democrático e de direito na Guiné Equatorial.