Início Mundo "Caso Giuliani" irá parar já às mãos do futuro Procurador-Geral dos EUA

"Caso Giuliani" irá parar já às mãos do futuro Procurador-Geral dos EUA

Segundo uma análise feita sexta-feira pela agência noticiosa Associated Press (AP), o “Caso Giuliani” ficará assim nas mãos de Merrick Garland, que será confirmado no cargo na próxima semana, depois de a investigação federal ter sido suspensa no ano passado, ainda na Presidência de Trump.

A suspensão deveu-se às táticas ligadas à investigação, numa altura em que Trump procurava a reeleição no meio de um papel proeminente de Giuliani na subsequente contestação dos resultados em nome do ex-Presidente dos Estados Unidos.

No entanto, o Gabinete do Procurador dos Estados Unidos em Manhattan voltou à questão e abriu um novo processo criminal contra Giuliani, com o objetivo de determinar se o ex-presidente da câmara de Nova Iorque violou as leis de ‘lobby’ do país, ao não se ter registado como agente estrangeiro, refere a AP, que cita fontes próximas do processo e que pediram anonimato.

A chegada de uma nova administração à Casa Branca, liderada pelo democrata Joe Biden, vai trazer um novo olhar à investigação, sustenta a AP, relembrando os “quatro anos tumultuosos” da governação de Trump, que deixou por resolver questões politicamente relevantes, “sem mencionar os apelos de alguns democratas para investigar o próprio Trump”.

O foco principal da investigação não está claro, mas envolve, pelo menos em parte, as negociações de Giuliani com a Ucrânia, disseram as autoridades.

Giuliani foi fundamental nos esforços de Trump para levantar o véu sobre uma eventual corrupção de Biden e pressionar a Ucrânia para uma investigação sobre o novo Presidente norte-americano, bem como ao seu filho, Hunter – que agora enfrenta uma investigação criminal do Departamento de Justiça.

Giuliani também procurou minar a ex-embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, Marie Yovanovitch, que foi expulsa por ordem de Trump, e se reuniu várias vezes com um legislador ucraniano que divulgou as gravações editadas de Biden na tentativa de denunciá-lo antes da eleição.

A Lei de Registo de Agentes Estrangeiros exige que as pessoas que fazem ‘lobby’ em nome de um governo ou entidade estrangeira se registem no Departamento de Justiça.

A lei outrora obscura, destinada a melhorar a transparência, recebeu uma explosão de atenção nos últimos anos, particularmente durante uma investigação do ex-advogado especial Robert Mueller, que revelou uma série de operações de influência estrangeira nos Estados Unidos.

Em 2020, vários promotores federais em Manhattan pressionaram por um mandado de busca para registos, incluindo algumas das comunicações de Giuliani, mas os funcionários do Departamento de Justiça da era Trump não assinaram o pedido, de acordo com várias pessoas familiarizadas com a investigação que insistiram no anonimato para falar sobre uma investigação em andamento.

A investigação do lóbi de Giuliani veio à tona pela primeira vez em outubro de 2019, quando o The New York Times noticiou que os promotores federais estavam a investigar os esforços do aliado de Trump para destituir Yovanovitch.

Os promotores federais também investigaram Giuliani como parte de um processo criminal movido contra os seus ex-associados Lev Parnas e Igor Fruman, sócios comerciais soviéticos da Florida que desempenharam papéis importantes nos esforços de Giuliani para iniciar a investigação de corrupção ucraniana contra os Biden.

Parnas e Fruman foram acusados de terem desenhado um esquema de doações de campanha ilegais para políticos locais e federais em Nova Iorque, Nevada e outros estados para tentar ganhar apoio para um novo negócio.

Giuliani disse que não tinha conhecimento de doações ilegais e não viu nenhuma evidência de que Parnas e Fruman fizeram algo errado.

Leia Também: Ex-advogado de Trump a um passo de ser banido do YouTube