Início Mundo Biden saúda "passo de gigante" com aprovação de plano de estímulo

Biden saúda "passo de gigante" com aprovação de plano de estímulo

“Hoje posso dizer que demos um passo gigantesco para cumprir a promessa que fiz aos norte-americanos de que a ajuda estava a caminho”, disse Biden aos jornalistas na Casa Branca após o Senado ter aprovado o plano de apoio financeiro à recuperação da economia, uma das prioridades da nova administração.

O Senado dos Estados Unidos da América (EUA) aprovou hoje um plano de estímulo de 1,9 biliões de dólares (1,59 biliões de euros) para relançar a economia norte-americana, naquela que é a primeira vitória legislativa do Presidente Joe Biden.

O pacote financeiro, o terceiro aprovado nos EUA desde o início da pandemia de covid-19, há um ano, inclui novos pagamentos diretos de 1.400 dólares (1.175 euros) aos contribuintes com rendimentos inferiores a 80.000 dólares (67.150 euros) por ano, mais fundos para os governos locais e estatais, compra de vacinas e reabertura de escolas.

O plano foi aprovado após horas de debate, negociações frenéticas e uma maratona de votos, apenas pelos senadores democratas, por 50 votos contra 49.

De acordo com estimativas do chefe de Estado norte-americano, o plano “resultará na criação de cerca de seis milhões de empregos, aumentará o nosso Produto Interno Bruto (PIB) em um bilião de dólares e colocará o país em posição de ganhar a competição com o resto do mundo, porque o resto do mundo está em movimento, a China em particular”.

“Oitenta e cinco por cento das famílias americanas receberão pagamentos directos de 1.400 dólares por pessoa”, disse Biden, prevendo que o plano permitirá “reduzir a pobreza infantil para metade”.

O Presidente norte-amreicano disse ainda que o plano colocará os Estados Unidos no “caminho para derrotar o vírus e dar a ajuda de que precisam às famílias que mais sofrem”.

O projeto de lei será enviado ao Congresso na próxima semana, onde se espera que a maioria democrata o aprove rapidamente para que o Presidente Biden o possa assinar até 14 de março, antes da prevista suspensão dos atuais subsídios de desemprego.

Biden instou o Congresso, que já deu o seu acordo inicial ao projecto de lei na semana passada, a votar “rapidamente” para apoiar a versão do Senado, o que completaria o processo para que o Presidente pudesse assinar a lei.

“Esta nação sofreu demasiado durante demasiado tempo”, disse Biden, sublinhando que tudo “foi concebido para aliviar o sofrimento e satisfazer as necessidades mais urgentes da nação”.

O pacote financeiro, com despesas totais previstas equivalentes a quase um décimo do tamanho de toda a economia dos Estados Unidos, é a prioridade do Presidente Joe Biden.

A votação representou um momento político crucial para Biden e para o Partido Democrata, que precisa de unanimidade partidária num Senado dividido 50-50, que lidera devido ao voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris.

Na Congresso, os democratas têm uma margem estreita de 10 votos.

O pacote enfrentou sólida oposição do Partido Republicano, que o considera um desperdício de dinheiro para os aliados liberais dos democratas.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.581.034 mortos no mundo, resultantes de mais de 116 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: Senado norte-americano aprova plano de 1,9 biliões de dólares de Biden