Início Mundo Polícia italiana desmantela rede de migrantes ilegais em Trieste

Polícia italiana desmantela rede de migrantes ilegais em Trieste

A “associação transnacional”, que se revelou ser um eixo da chamada rota dos Balcãs, levava migrantes, que pagavam “grandes somas de dinheiro” em troca de documentos de identidade falsos, para a “Alemanha, França e outros países do norte da Europa” via Trieste, com a ajuda de outras “bases logísticas” em várias cidades italianas, de acordo com as investigações da polícia de operações especiais (Digos) e do departamento de serviço e luta contra o extremismo e o terrorismo interno.

A Digos executou cinco ordens de prisão preventiva, duas delas em países europeus não especificados, e duas de prisão domiciliar na Itália, além de várias buscas numa operação liderada pela Direção Anti-máfia e Antiterrorismo de Trieste, explicou a polícia num comunicado.

As investigações começaram com o acompanhamento de um cidadão iraquiano, residente em Trieste, que havia entrado em contacto com o autor do atentado terrorista que em 15 de setembro de 2017 causou mais de 30 feridos devido à explosão de uma bomba numa carruagem do metro de Londres e pelo qual foi condenado à prisão perpétua. O ataque foi reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Embora as investigações não tenham fornecido provas de crimes relacionados com o terrorismo internacional, permitiram delinear a existência de uma verdadeira célula em “Trieste” composta pelo homem iraquiano, que viajou várias vezes para a Holanda e Alemanha, de onde “mantinha a supervisão” da base italiana, na qual trabalhavam muitas pessoas, com “o propósito de obter benefícios”.

O cidadão iraquiano foi detido, graças a uma colaboração policial internacional articulada, na Alemanha, pelas autoridades daquele país em execução de um mandado de captura europeu, disse a polícia italiana, informando ainda que as investigações estão em curso.

Leia Também: Itália bloqueia envio de vacinas da AstraZeneca para a Austrália