Início Mundo Bélgica prolonga proibição de viagens não essenciais até 18 de abril

Bélgica prolonga proibição de viagens não essenciais até 18 de abril

As decisões foram tomadas hoje num comité consultivo, que reúne os governos federal e regionais do país.

A Bélgica fechou as fronteiras para viagens não essenciais em fevereiro e até agora não levantou essa restrição, apesar de a Comissão Europeia ter pedido uma substituição por medidas menos rigorosas.

No entanto, o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, garantiu, durante a conferência de imprensa realizada após a reunião, que a medida vai continuar até 18 de abril e que uma avaliação será feita em 26 de março.

Para o governante, o encerramento de fronteiras é “necessário para desacelerar a propagação do vírus”.

A Bélgica permite viagens com uma série de certificados e uma “declaração de honra” que ateste a deslocação como “essencial”, se for de trabalho, para estudos ou para cuidar de um familiar doente, entre outras razões.

Além das deslocações, o comité adotou outras medidas como a reabertura da hotelaria a partir de maio, e que está encerrada desde outubro.

O primeiro-ministro belga sublinhou que este calendário não é “automático”, mas que vai ter em conta a evolução da pandemia, sobretudo do número de hospitalizações, constatando ainda que a vacinação é “crucial”.

Os novos casos de covid-19 na Bélgica continuam a aumentar, com uma média de 2.359 casos diários na última semana, de acordo com os dados publicados pelo instituto público Sciensano.

No entanto, esse valor representa um aumento de apenas 2% em relação à semana anterior e, nos últimos dias, o aumento de casos tem sido cada vez menor.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.570.291 mortos no mundo, resultantes de mais de 115,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: AO MINUTO: Portugal administrou 1 milhão de vacinas; UE defendeu bloqueio