Início Mundo Explosão de mina no Burkina Faso provoca quatro mortos, incluindo grávida

Explosão de mina no Burkina Faso provoca quatro mortos, incluindo grávida

“A ambulância do centro médico de Djibo passou por cima de um dispositivo explosivo em Gaskindé”, no eixo Djibo-Bouzanga, provocando “quatro mortes, incluindo de uma mulher grávida”, afirmou uma fonte de segurança, citada pela agência France-Presse.

De acordo com a mesma fonte, que assinalou que o veículo ficou “completamente destruído pela explosão”, as vítimas mortais foram o condutor da ambulância, a mulher grávida e outras duas pessoas que seguiam na viatura.

O ataque foi confirmado por uma fonte hospitalar de Djibo.

O Burkina Faso, um país da região do Sahel, pobre e sem litoral, com 20,3 milhões de habitantes, tem sido alvo, desde 2015, à semelhança dos vizinhos Níger e Mali, de ataques ‘jihadistas’ recorrentes que já causaram pelo menos 1.200 mortos e mais de um milhão de deslocados internos.

Durante o dia de hoje, duas mulheres foram mortas nas mesmas circunstâncias, quando duas carroças atingiram engenhos explosivos artesanais em Yagha, também no norte do país.

Os ataques com engenhos explosivos improvisados no país têm aumentado desde 2018 e, segundo uma contagem da agência noticiosa francesa, foram responsáveis pela morte de mais de 200 civis e soldados.

Subequipadas e sem um treino apropriado e apesar do apoio de forças estrangeiras, as forças de segurança do Burkina Faso apresentam-se incapazes de travar a violência ‘jihadista’ no país.

Em fevereiro, o Presidente do Chade, Idriss Deby Itno, anunciou o destacamento de 1.200 soldados para a zona das “três fronteiras”, entre Mali, Níger e Burkina Faso, para fazer frente aos grupos ‘jihadistas’ na região.

A decisão foi anunciada à margem de uma cimeira dos países do G5 do Sahel — Mali, Mauritânia, Chade e Burkina Faso — e França, em Ndjamena, no Chade.

Leia Também: Pelo menos 11 mortos em deslizamento de terras em mina de ouro