Início Mundo El Salvador vai às urnas no domingo para escolher deputados e autarcas

El Salvador vai às urnas no domingo para escolher deputados e autarcas

De acordo com as mais recentes sondagens, é de esperar que o partido Novas ideias (NI), fundado por um movimento ligado ao Presidente salvadorenho, Nayib Bukele, e liderado pelo seu primo, seja a formação mais votada no país, que tem no total 6,4 milhões de habitantes.

Atualmente, o Congresso salvadorenho é composto por 13 deputados pró-governamentais, em que a Grande Aliança pela Unidade Nacional (GANA) detém 10 assentos, e neste bloco integram-se um deputado da Mudança Democrática e dois independentes.

A oposição parlamentar detém 71 assentos, distribuídos pela Aliança Republicana Nacionalista (Arena), com 35, a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), com 23, o Partido da Concertação Nacional (PCN), com nove, o Partido Democrata Cristão (PDC), com três e um deputado independente.

Quanto aos 262 municípios do país centro-americano, 138 são governados pela Arena, 61 pelo FMNL, 25 pelo GANA, 24 pelo PCN, dois pelo PDC, dois por partidos minoritários e os restantes são liderados por coligações.

O NI, apoiado pelo atual Governo do Presidente Bukele, foi a formação que fez o maior investimento na campanha eleitoral desde novembro de 2020, com 5,27 milhões de dólares (4,3 milhões de euros), o equivalente a 75% do total das despesas de campanha das outras formações políticas, segundo um estudo da organização Action Citizen.

Uma das campanhas que ganhou força nas últimas semanas foi a dos candidatos a autarca de San Salvador (capital), Mario Durán, pela NI, e Ernesto Muyshondt, atual autarca e membro da opositora Arena (direita).

A autarquia de San Salvador é considerada a “joia da coroa” das eleições municipais e dá o tom para a candidatura presidencial. Na história recente do país centro-americano, três autarcas de San Salvador tornaram-se Presidentes: José Napoleón Duarte (1984), Armando Calderón Sol (1994) e Nayib Bukele (2019).

O assassínio de dois simpatizantes da FMLN no final de janeiro por funcionários do Ministério da Saúde, segundo investigação da Procuradoria Geral, marcou o episódio mais complicado da campanha e colocou o Presidente Bukele contra o procurador-geral, Raúl Melara.

Um total de 1.892 representantes da Procuradoria-Geral da República (FGR) estão destacados para verificar se as eleições são realizadas de acordo com as devidas normas e estarão distribuídos pelos 1.595 centros de votação em todo o país.

Uma missão especial da Organização dos Estados Americanos (OEA) esteve, em meados de fevereiro, em El Salvador para realizar uma avaliação da situação política do país antes das eleições de 28 de fevereiro.

O clima político em El Salvador ficou mais tenso a partir de 09 de fevereiro de 2020, quando o Presidente salvadorenho entrou na Assembleia Legislativa, escoltado por soldados e polícias armados, exigindo a aprovação do seu plano de segurança, devido ao aumento da criminalidade no país.

No dia 10 de fevereiro, o Supremo Tribunal proibiu o Presidente de convocar o parlamento — o que havia feito a 07 de fevereiro e não foi atendido pelos parlamentares – e também proibiu todas as forças públicas, inclusive o Ministério da Defesa, de exercer funções diferentes das permitidas pela Constituição.

As eleições de domingo serão as décimas legislativas e municipais desde a assinatura dos Acordos de Paz em 1992, que marcaram o fim da guerra civil que El Salvador — um dos países mais pobres do continente americano – viveu desde 1980 e que deixou 75.000 mortos e 8.000 desaparecidos.

Leia Também: Autarcas independentes reúnem-se para discutir alterações à lei eleitoral