Início Mundo Itália ultrapassa as 97 mil mortes. País regista mais 20.499 infeções

Itália ultrapassa as 97 mil mortes. País regista mais 20.499 infeções

Nas últimas 24 horas, Itália reportou mais 20.499 novas infeções pelo novo coronavírus e 253 mortes relacionadas com a Covid-19, indica o boletim epidemiológico atualizado esta sexta-feira pelas autoridades italianas.

Assim, o país passa a acumular 2.888.923 casos confirmados e 97.227 mortes desde o início da pandemia, em fevereiro do ano passado.

Os dados desta sexta-feira representam um ligeiro aumento no número das infeções (ontem tinham sido reportados 19.871 casos) e uma diminuição dos óbitos (foram notificados ontem 308).

Esta quinta-feira, o Instituto Superior de Saúde de Itália referiu que no país, estima-se que a variante descoberta no Reino Unido “tem uma transmissibilidade 37% superior do que as não variantes, com uma grande incerteza estatística (entre 18% e 60%).

“Esses valores estão em linha com os relatados noutros países, embora sejam um pouco menores, o que nos leva a considerar a oportunidade de que se possam aplicar medidas de controlo mais estritas para conter os surtos incipientes até à sua mitigação”, acrescentou.

O Ministério da Saúde estimou, em 12 de fevereiro, que 17,8% das infeções no país devem-se à variante descoberta no Reino Unido, um número semelhante ao resto da Europa, embora tenha destacado que há áreas do país onde essa incidência supera os 50%.

Neste momento, as regiões de Emília-Romanha, Ligúria, Toscana, Campânia, Molise, Abruzzo, Úmbria e as províncias autónomas de Bolzano e Trentino estão em zona “laranja”, de risco intermédio.

O resto do país permanece listado como “amarelo”, de baixo risco, enquanto nenhuma região está na zona “vermelha”, de maior risco.

Um estudo revelado hoje pelo Instituto de Saúde Ricardo Jorge indica que o Reino Unido, com mais casos, e a Itália, com mais peso na transmissão comunitária, foram os países com maior impacto no início da pandemia de Covid-19 em Portugal.

Leia Também: AO MINUTO: Creches, pré-escolar e 1.º ciclo abrirão (ainda) em março