Início Mundo UNITA pede audição de responsáveis das Finanças sobre ataque cibernético

UNITA pede audição de responsáveis das Finanças sobre ataque cibernético

Segundo olíder da bancada do maior partido da oposição angolana, Liberty Chiaka, que falava à margem da sexta reunião plenária extraordinária da quarta sessão legislativa do parlamento angolano, a audição destes responsáveis decorre da “preocupação de se perceber a gravidade” do ataque cibernético de que foi alvo aquele órgão ministerial.

O Ministério das Finanças (Minfin) anunciou, na segunda-feira, que a plataforma tecnológica de apoio às suas atividades com acesso aos emails e pastas partilhadas foi alvo de um ataque cibernético no dia 17 de fevereiro, “com origem e motivações não identificadas”.

Não obstante a situação, referiu o Minfin num comunicado divulgado no seu site, os sistemas de arrecadação de receitas, entre os quais o Portal de Serviços, Portal do Contribuinte e o Sistema Integrado de Gestão Financeira do Estado, “encontram-se em pleno funcionamento”.

A UNITA expressou hoje preocupação sobre o assunto: “Queremos compreender a gravidade e a extensão deste ataque informático e, também, procurar saber quais são os procedimentos de controlo que vão ser estabelecidos para que esta situação não mais aconteça”.

“Porque quando o Ministério das Finanças sofre um ataque, como este, e não sabemos agora a sua extensão, a sua profundidade, não sabemos que implicações vai ter na capacidade do Estado fazer vários processos de gestão financeira interna, a nós compete procurar saber o que está a ser feito para que estes ataques não acontecem”, rematou Liberty Chiyaka.

O Minfin garantiu que o Serviço de Tecnologias de Informação e Comunicação das Finanças Públicas (SETIC-FP) está a identificar “o alcance da perturbação e os potenciais constrangimentos causados nos postos de trabalho do Ministério das Finanças e organismos tutelados, principalmente o programa de desmaterialização da correspondência interna e externa”.

As equipas do SETIC estão desde o ataque a trabalhar na “solução e normalização do sistema de emails e da pasta de documentos partilhados, mitigando assim os impactos de tal situação na produtividade dos funcionários das Finanças Públicas”.

Leia Também: UNITA quer ouvir ministro dos Transportes por “concorrência desleal”