Início Mundo Indulto do presidente argelino liberta pelo menos 35 prisioneiros

Indulto do presidente argelino liberta pelo menos 35 prisioneiros

Na sexta-feira à noite, o ministério argelino da Justiça anunciou a libertação de 33 pessoas processadas por “atos relacionados com a utilização de redes sociais” e acrescentou que estão em curso procedimentos para outros detidos.

A libertação de prisioneiros teve lugar em várias regiões do país e acontecem na véspera do segundo aniversário da revolta popular de 22 de fevereiro.

Abdelmadjid Tebboune decretou na passada quinta-feira uma série de medidas para responder à crise política que abala a Argélia, incluindo a libertação de cerca de 60 prisioneiros de consciência, um gesto de apaziguamento dirigido ao movimento de protesto popular.

De acordo com os últimos números da CNLD, encontravam-se até agora detidas 70 pessoas em ligação com o movimento de protesto popular, conhecido como Movimento dos Sorrisos ou Hirak.

Entre os prisioneiros de consciência libertados na sexta-feira encontravam-se o líder da oposição, Rachid Nekkaz, e o jornalista Khaled Drareni, que se tornou um símbolo da luta pela liberdade de imprensa.

“A minha luta [pela liberdade de imprensa] vai continuar”, disse Drareni à TV5 em francês, da qual é o correspondente argelino, após a sua libertação.

A União Europeia considerou “excelente” a notícia da libertação dos detidos por indulto presidencial, “uma decisão que reconhece a importância da liberdade de expressão e do pluralismo no processo democrático”, escreveu na rede social Twitter o Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Joseph Borrel.

Esta semana ficou marcada pela ocorrência de manifestações em várias províncias argelinas e circulam nas redes sociais apelos à manifestação esta segunda-feira na capital, Argel, para assinalar o segundo aniversário do Hirak, que suspendeu as manifestações semanais em março último por causa da epidemia do coronavírus.

Leia Também: Argélia. Manifestantes evocam aniversário de protestos anti-regime