Início Mundo Covid-19: Observatório conta 2.970 mortes suspeitas na Nicarágua

Covid-19: Observatório conta 2.970 mortes suspeitas na Nicarágua

A entidade, uma rede de médicos e voluntários de todo o país da América Central, também reportou 12.995 casos suspeitos da doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2 na quarta-feira, um número superior aos registos oficiais do Ministério da Saúde da Nicarágua, segundo a agência Efe.

Até terça-feira, as autoridades de saúde contabilizavam 6.418 casos confirmados e 172 mortos.

O Governo da Nicarágua, presidido pelo sandinista Daniel Ortega, não precisou o número de testes realizados, e apenas informa o número de casos confirmados, as mortes e os recuperados.

O observatório independente indicou que 876 trabalhadores do setor da saúde registaram sintomas associados à covid-19, e que entre eles se contabilizam 115 que faleceram.

No relatório, a estrutura independente também contou 2.710 irregularidades, incluindo sete relacionadas com a exposição de pessoas em aglomerados, informação pública insuficiente sobre a covid-19 e resposta inadequada por parte do Ministério da Saúde.

O país da América Central já autorizou o uso da vacina Sputnik V, da Rússia, e da Covishield, da Índia, como método para a enfrentar a pandemia.

De acordo com o Governo da Nicarágua, o país conta com 107 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros) para comprar as vacinas, e as autoridades asseguraram que, com o apoio do programa Covax da Organização Mundial de Saúde (OMS), conseguirão doses para os 6,5 milhões de habitantes do país.

O executivo nicaraguense foi criticado por vários setores por promover eventos massivos e aglomerações de pessoas, contra as recomendações da OMS e Organização Panamericana de Saúde (OPS), e por ter mantido as aulas presenciais.

O presidente Daniel Ortega declarou-se contra a campanha “Fica em Casa”, porque defende que destruiria a economia local, que contrai desde 2018 e é maioritariamente informal.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.453.070 mortos no mundo, resultantes de mais de 110,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: Covid-19: Antecipar confinamento teria poupado 23 mil vidas em Espanha