Início Notícias Artilheira da era Pia Sundhage, Debinha não se vê garantida em Tóquio

Artilheira da era Pia Sundhage, Debinha não se vê garantida em Tóquio

Quando anunciou as convocadas para o She Believes, torneio amistoso nos Estados Unidos que serve de preparação para a Olimpíada, Pia Sundhage admitiu ter definido 12 das 18 jogadoras que defenderão o Brasil nos Jogos de 2021. Artilheira da seleção feminina desde a estreia da técnica sueca (em agosto de 2019) com dez gols e presente nas 13 partidas sob comando da treinadora, Debinha é, em tese, nome certo entre as atletas que já podem fazer as malas para Tóquio (Japão). A atacante, porém, ainda não se vê garantida.

“Acho que aqui a concorrência é muito grande. Futebol se vive de fases. O que eu busco é manter minha parte física, seguir bem no meu clube, chegar na seleção e dar meu 100% para buscar a vaga. A gente nunca sabe o que pode acontecer”, declarou a jogadora do North Carolina Courage (EUA), em entrevista coletiva por videoconferência nesta terça-feira (16).

A seleção feminina estreia no She Believes nesta quinta-feira (18), às 18h (horário de Brasília), contra a Argentina. No domingo (21), às 17h, as adversárias são as norte-americanas, atuais campeãs mundiais. Já na outra quarta-feira (24), as comandadas de Pia encerram a participação no torneio diante do Canadá, às 18h. Os jogos serão disputados no Exploria Stadium, em Orlando (EUA).

“São três seleções [de estilos] diferentes. A Argentina conhecemos bem. É um time contra o qual jogamos bastante, que joga praticamente espelhado no Brasil. [A seleção dos] Estados Unidos é mais força e velocidade. O Canadá está entre os dois [modelos], é também uma seleção que conhecemos bem, há uma rivalidade grande”, disse Debinha, que projeta, em especial, os duelos contra norte-americanas e canadenses, que também estão classificadas para Tóquio.

“Temos a Pia, que já comandou os Estados Unidos [foi bicampeã olímpica, em 2008 e 2012] e conhece bem a seleção. Eu conheço bem as jogadoras [norte-americanas] por atuar na liga. Será um jogo muito duro, mas temos nos preparado e dando o melhor no dia a dia. O torneio será próximo do que acontecerá na Olimpíada, onde teremos também Inglaterra e França, que nos deram muito trabalho. Jogar contra Estados Unidos e Canadá nos dará um parâmetro do nível que estamos”, descreveu.

Mudanças na convocação

Nesta terça, um dia após a chegada da delegação a Orlando, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou os cortes das volantes Luana e Formiga, que não foram liberadas pelo PSG (França). Apesar de o She Believes ser em data Fifa, os clubes foram autorizados a não cederem atletas em casos de restrições de viagem ou de quarentena obrigatória devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Para o lugar delas, Pia convocou a meia Valéria e a atacante Geyse, ambas do Madrid CFF (Espanha). A primeira, de 22 anos, estreou na seleção feminina na goleada por 6 a 0 sobre o Equador, em novembro, na Neo Química Arena, em São Paulo. Ela, inclusive, fez um dos gols do atropelo. A segunda, que tem a mesma idade, esteve na Copa do Mundo de 2019, na França, e foi chamada pela técnica sueca, pela primeira vez, em março do ano passado, para disputa do Torneio Internacional da França, mas acabou cortada por lesão.

Antes de Luana e Formiga, Pia teve de substituir a lateral Fabi Simões, do Internacional, que testou positivo para a covid-19 antes da viagem para Orlando. A zagueira Kathellen, da Inter de Milão (Itália), foi chamada no lugar da defensora colorada.